John MacArthur Denuncia a Linguagem Vulgar de Mark Driskoll e Outros – Parte 3

Share Post:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email

John MacArthur Denuncia a Linguagem Vulgar de Mark Driskoll e Outros – Parte 3

Por John MacArthur Jr

(O Estupro dos Cânticos de Salomão)

Tradução: Nelson Ávila (Aluno da Escola Charles Spurgeon).

[Nota do Editor: O leitores devem ser advertidos que este artigo contem material ofensivo. No entanto, ele está incluído aqui com o objetivo de fundamentar a tese deste artigo.]

Eu enfaticamente concordo com aqueles que dizem que os Cânticos de Salomão não são mera alegoria. Ele é melhor entendido quando o tomamos como de fato se propõe a ser, como qualquer outro texto da Escritura. Muitos intérpretes a quem, em outro caso, mantenho em alta estima (incluindo Spurgeon e a maioria dos Puritanos), infelizmente fizeram mais para confundir do que para esclarecer a mensagem dos Cânticos ao tratá-la de uma maneira puramente alegórica que acaba por eliminar seu sentido primário.

Os Cânticos de Salomão são, como tenho dito desde o princípio, um poema de amor entre Salomão e sua noiva, celebrando o amor mútuo de um pelo outro, incluindo os prazeres do leito conjugal. Interpretar esta — ou qualquer outra porção da Escritura — de uma maneira puramente alegórica é tratar a própria imaginação do intérprete como mais autoritativa do que o sentido literal do texto.

De qualquer modo, aqueles que fingem saber o significado dos símbolos poéticos que não estão claramente identificados a partir do próprio texto cometem o mesmíssimo erro. Suas especulações são igualmente um modo de exaltar suas próprias imaginações a um nível de autoridade superior ao sentido literal do texto.

É um problema particular quando o interprete vê um mandato para sexo oral numa simples metáfora acerca do fruto de uma árvore, ou imagina que a melhor maneira de contextualizar e ilustrar porções do texto é despindo verbalmente sua própria esposa a fim de fazer o ponto tornar-se o mais vívido possível.

Num caso como este, o orador não apenas tem dado peso demasiado a sua própria imaginação especulativa; ele tem dado um sinal bastante claro de que sua imaginação não é totalmente pura (Lucas 6:45).

E este é um problema muito mais sério do que meramente alegorizar o texto.

De maneira alguma desejo minimizar os perigos de se alegorizar o texto. Essa aproximação hermenêutica é cheia de prejuízos, mesmo nas mãos de homens de mente pura, que geralmente são saudáveis em sua doutrina. Eu não aprovo os vôos da fantasia alegórica, especialmente com um texto como os Cânticos de Salomão, o qual impõe bastante dificuldade com as, obviamente embutidas, metáforas e linguagem poética que possui.

Alegorizadores dos Cânticos de Salomão geralmente o vêem como uma expressão de terno amor mútuo entre Cristo e Sua igreja. A maioria deles diria que Cristo é representado pela voz de Salomão; a igreja é representada pela voz de Sulamita. Alguns intérpretes vão ainda mais longe e dizem ouvir três ou mais vozes falando do texto. (Invariavelmente, aqueles que multiplicam as vozes tentam fazer com que os versículos se encaixem em algum libreto complexo que se levanta mais de suas próprias agendas pessoais do que do texto em si.)

Ainda assim, independentemente de quantas vozes sejam ouvidas e quem esteja supostamente falando, quase todos os que alegorizam este poema vêem-no como um cântico de amor entre Cristo e a igreja. É provavelmente adequado dizer que esta visão alegórica sobre Cristo e a igreja tem sido a interpretação dominante do poema através da história da igreja.

Isto, é claro, não é o certo a ser feito. Acontece que penso não ser esta a abordagem correta para interpretar este texto. Mas esta não é uma visão que deva ser rejeitada com desprezo vulgar — especialmente com uma piada grosseira atribuindo comportamento homossexual a Cristo.

Se você já ouviu qualquer dos estudos de Mark Driscoll sobre os Cânticos de Salomão, certamente terá ouvido sua piada naquele sentido. Por exemplo, no sermão que me impulsionou a escrever estes artigos, Driscoll diz, “Alguns têm alegorizado este livro, e assim fazendo, eles o têm destruído. Eles dirão que ele é uma alegoria entre Jesus e sua noiva, a igreja. O que, se for verdade, é estranho. Porque Jesus está fazendo sexo comigo e pondo sua mão sobre minha camisa. E isto parece estranho. Eu amo Jesus, mas não desse jeito.”

Drsicoll disse quase exatamente a mesma coisa nos últimos três outros sermões. Por exemplo: “Jesus continua fazendo comigo e me tocando em locais impróprios”. “Agora eu sou gay, ou altamente perturbado, ou ambos”. “Como um cara, eu não me sinto confortável com Jesus, como você sabe, me beijando, me tocando e me levando para a cama. Ok? Acho que essa espécie de visão acerca dos Cânticos de Salomão é muito homo-erótica.”

Mesmo em sua série mais recente, Peasant Princess, ele repete uma versão daquela mesmíssima piada:

Agora, o que acontece é que alguns dizem “Bem, nós cremos no livro [dos Cânticos de Salomão], e o ensinaremos, mas o faremos alegoricamente.” E há então uma interpretação alegórica e uma literal. Eles dirão, “Bem, a interpretação alegórica não é entre um marido e sua esposa, Cânticos de Salomão, amor, romance e intimidade; do que ela trata? Sobre nós e Jesus.” Realmente? Eu espero que não. [Risos da platéia] Se eu chegar no céu e ele desabar, não sei o que farei. Quero dizer que este será um mau dia. Certo? Eu falo sério. Vocês caras, sabem do que eu estou falando. É como, “Não, eu não estou fazendo isto. Você sabe que eu não estou fazendo isto. Eu O amo [Jesus], mas não deste jeito.” [Risos da platéia].

Driscoll escapa da crítica a respeito deste tipo de piada alegando que não é blasfêmia pelo fato de não ter nada a ver com o “verdadeiro” Jesus. Ele diz que está simplesmente tirando sarro de uma falsa noção sobre Jesus. E ele continua fazendo a piada. Aqui está o problema com isto: a Escritura claramente ensina que o amor entre marido e mulher em todos os seus aspectos é uma metáfora de Cristo e a igreja (Efésios 5:31-32).

Assim, mesmo uma interpretação não alegórica dos Cânticos de Salomão (simplesmente tomando a canção de amor entre Salomão e Sulamita no sentido em que ela se propõe a ser), em última análise aponta-nos a Cristo e seu amor pela igreja. O texto deve ser manuseado pelo pregador, portanto, não como um pretexto para se banhar na sarjeta de nossa cultura obsessiva por descontração, com uma conversação grosseira acerca de sexo e descrição de imagens sexuais.

Alguns dos que tem comentado esses artigos sugeriram que eu deveria fazer uma exposição completa dos Cânticos de Salomão ao invés de simplesmente criticar os maus intérpretes e condenar a fixação da igreja contemporânea por sexo.

Isto exigiria uma série longa, e eu preferiria não devotar semanas de tempo neste blog a um tópico que levantei apenas com o objetivo de uma simples admoestação particular. Mas aqueles que desejam conhecer minha exposição dos Cânticos de Salomão ficarão felizes em encontrar notas completas sobre o texto na Bíblia de Estudo MacArthur.

Aquelas notas devem ser uma resposta suficiente àqueles que pretendem saber se o que estou falando é que seria melhor não comentar os Cânticos de Salomão de maneira alguma.

É claro que não é o que estou dizendo, nem pode alguém asseverar que tenho afirmado implicitamente qualquer coisa do tipo — sem torcer minhas palavras ou colocar suas palavras em minha boca. (Isto aconteceu literalmente numa série de comentários em outro blog onde este artigo estava em discussão. Um comentarista precipitadamente me acusou de oposição a exposição linha-por-linha dos Cânticos. Em metade dos comentários, as pessoas estavam pondo esta alegação entre aspas, atribuindo-a a mim.)

O que estou dizendo é que os limites da decência — especialmente quando se lida com temas como sexo — devem ser aplicados a qualquer texto com o qual estejamos lidando. Interpretar a bela poesia de modo a transformá-la num indecente pornô soft é corromper a intenção primordial do texto.

Isto está longe de ser tão difícil de entender como alguns estão imaginando, mas talvez um simples paralelo seja suficiente: Existem outras funções privadas do corpo e partes do corpo “menos honrosas” ou “indecorosas” (1 Coríntios 12:23). Encontramos estas mencionadas ou aludidas às vezes nas Escrituras sem, contudo, serem demasiadamente especificadas. Todos nós seriamos certamente ofendidos se o pregador fizesse um longo discurso descritivo, ou desse instruções do tipo “como-é”, no culto de Domingo, sublinhando aquelas coisas “indecorosas”.

Por razões mais fortes que a simples modéstia, certos atos envolvendo fornicação, auto-erotismo e outras coisas que as pessoas geralmente “fazem em segredo”, são vergonhosas para serem discutidas em qualquer contexto público (Efésios 5:12), muito menos num culto da igreja. Elas podem ser temas adequados para uma sessão de aconselhamento privado, para um consultório médico ou para uma aula de biologia da faculdade, mas não são temas apropriados para um culto onde Deus deve ser glorificado, onde Cristo deve ser exaltado, onde respeito deve ser mostrado para com as mulheres, onde a inocência das crianças deve ser resguardada e onde as curiosidades luxuriosas de pessoas solteiras não devem ser inflamadas desnecessariamente.

Quando um orador deliberadamente desperta desejos que não podem ser realizados com retidão em universitários solteiros, ou quando suas ilustrações pessoais deixam de preservar a privacidade e honra de sua própria esposa, isto já é algo bem pior do que meramente inapropriado. Quando feito repetidamente e com o comportamento de um bad boy imaturo, tal prática reflete um defeito de caráter maior, que é a desqualificação espiritual. Qualquer homem que faz tais coisas demonstra simplesmente que a marca registrada de seu estilo não está realmente acima de qualquer reprovação.

Tão recentemente como há uma década, este ponto de vista não teria levantado um pio de controvérsia.

O fato de que isto é tão controverso agora é simplesmente uma prova a mais de que os evangélicos têm se tornado parecidos demais com o mundo, e muito confortáveis com as características maléficas de nossa cultura.

Amanhã, se o Senhor quiser, postarei o capítulo final desta série. Várias perguntas têm chegado repetidamente de pessoas que têm comentado sobre estes artigos, e no capítulo final de amanhã quero responder o maior número delas possível.

Stay Connected

More Updates

Corpo Docente

PROFESSORES RESIDENTES​

Professores Residentes

Cleyton Gadelha

Diretor Executivo

Formado em Teologia pelo STBB Seminário Teológico Batista Bíblico-NE
Pastor emérito da Igreja Batista de Parquelândia
Professores Residentes

André Luiz Araújo

Deão de Alunos

Formado em Teologia pelo Seminário e Instituto Bíblico Maranata
Convalidação em Teologia pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.
Diplomado pelo Instituto Bíblico Eduardo Lane (IBEL).
Pastor titular da Igreja Batista de Parquelândia
Professores Residentes

Felipe Prestes

Formado em Teologia pelo SBC
Mestrando em Novo Testamento pelo Centro de Pós-Graduação Andrew Jumper/Mackenzie
Igreja Batista Luz do Mundo em Fortaleza-CE.
Professores Residentes

Francisco Macena

Bacharel em teologia pelo Seminário Teológico de Fortaleza (2007); Mestre (2017) em Teologia Sistemática, com concentração de estudos em teologia contemporânea, pelo Centro de Pós-graduação Andrew Jumper (CPAJ); atualmente é doutorando em ministério pelo CPAJ, com concentração de estudos na área de Aconselhamento Bíblico e antropologia bíblica. É ministro da IPB desde 2008 e serve como pastor da IP Cambeba desde 2009; também serve a denominação em áreas de ensino e comissões especiais de pesquisa teológica.
Professores Residentes

Jefferson Oliveira

Formado em Teologia pela Escola Teológica Charles Spurgeon
Pós-graduando em Estudos Teológicos (Centro de Pós-Graduação Andrew Jumper).
Bacharel em Direito
Igreja Batista
Professores Residentes

Ariel Tidre Ferreira

Formado em Teologia pela Escola Teológica Charles Spurgeon
Pastor auxiliar da Igreja Batista de Parquelândia
Professores Residentes

Aldenor Pacífico Neto

Ministro da Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB).
Formado em Teologia pela Escola Charles Spurgeon
Mestrando em Estudos Bíblico e Hermenêuticos pelo Centro de Pós-Graduação Andrew Jumper.
Professores Residentes

Iranildo Medeiros

Formado em Teologia pela Escola Teológica Charles Spurgeon
Pastor da Igreja Bíblica Monte Sião
Fortaleza-CE
Professores Residentes

Gerson Almeida

Engenheiro Civil com Mestrado pela PUC-RJ. Especialização em Estudos Teológicos EAD/Andrew Jumper/Mackenzie (cursando).
Igreja Batista.

PROFESSORES PARA O CURSO DE ACONSELHAMENTO BÍBLICO

PROFESSORES PARA O CURSO DE ACONSELHAMENTO BÍBLICO

Larissa Ferraro

COORDENADORA

Administradora de empresas com MBA em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas. Mestre em aconselhamento bíblico pelo Faith Seminary em Lafayette, Indiana nos EUA.
Conselheira bíblica certificada pela ABCB.
Membro do Biblical Counseling Coalition USA.
Trabalhou por 10 anos como conselheira secular e desde 2010 serve como conselheira bíblica.
Coordenadora do curso de aconselhamento bíblico da Escola Charles Spurgeon.
PROFESSORES PARA O CURSO DE ACONSELHAMENTO BÍBLICO

Fernando Sousa

Vice-Presidente, professor e conselheiro da ABCB – Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos. Membro da equipe pastoral da Igreja Batista de Tupã – SP. Mestre em Psicologia Educacional, Especialista em Psicologia Pastoral, Licenciado em Filosofia e Pedagogia. Graduado em Teologia.
PROFESSORES PARA O CURSO DE ACONSELHAMENTO BÍBLICO

Sacha Mendes

Alexandre Mendes, também conhecido como “Sacha”, é um dos pastores da Igreja Batista Maranata em São José dos Campos, SP. Sacha é bacharel em economia pela Universidade São Paulo, bacharel em teologia com ênfase em ministério pastoral pelo Seminário Bíblico Palavra da Vida, mestre em Aconselhamento Bíblico – M.A. – pelo The Master’s College (Santa Clarita, CA, EUA), mestre em divindade – M. Div. – pelo Faith Bible Seminary (Lafayette, IN, EUA) e doutorando em ministério com ênfase em exposição bíblica – D. Min. – pelo Southeastern Baptist Theological Seminary (Wake Forest, NC, EUA). É co-autor dos livros “O namoro e o noivado que Deus sempre quis” (2013) e “Perguntas e respostas sobre o namoro e noivado que Deus sempre quis” (2015), ambos pela editora Hagnos. Sacha atua como diretor para visão e expansão da Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos (ABCB) e membro do conselho diretor da Biblical Counseling Coalition (BCC).
PROFESSORES PARA O CURSO DE ACONSELHAMENTO BÍBLICO

Wallace Juliare

Bacharel em Teologia pelo Seminário Bíblico Palavra da Vida (1996) e pela Faculdade Sul Americana (2010). Mestre em Ministérios Eletivos pelo SBPV (2008). Mestrando em Aconselhamento Bíblico pelo Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (CETEVAP). Professor na área de Teologia Bíblica e Exegese do Novo Testamento; e nas áreas de Vida Cristã e Família, no programa de Graduação do CETEVAP. Professor na área de Aconselhamento Bíblico no programa de Pós Graduação da SEBI. Pastor no Templo Batista Biblico.
PROFESSORES PARA O CURSO DE ACONSELHAMENTO BÍBLICO

Randal Richner

BA Cedarville University, MA Grand Rapids Baptist Seminary, MA em Aconselhamento Biblico Faith Bible Seminary, 4 anos como pastor auxiliar de Washington Baptist Church, Indiana (92-95), Missionario ABWE International (1996 – presente) – pastor e missionario em Ivoti, RS Brasil – casado com Cintia (1992) – 3 filhos – Ariana, Joel, Jason.
PROFESSORES PARA O CURSO DE ACONSELHAMENTO BÍBLICO

Eugênio César Castilho

Formação em Psicologia (UMC);
Bacharel em Teologia (STG); Mestrando em Aconselhamento Biblico (CETEVAP/SEBI);
Treinamento em Aconselhamento Bíblico (NUTRA);
Treinamento em Aconselhamento Cristão (FLAM).
Professor nos cursos de Aconselhamento Biblico NUTRA(SP e RJ);
CAB Atibáia.
PROFESSORES PARA O CURSO DE ACONSELHAMENTO BÍBLICO

Carlos Bacoccina

Professor da ABCB. Formado em Teologia pelo Seminário Batista Logos. Pastor da Igreja Batista Regular em Jd. Tremembé – São Paulo.
Professor do Seminário Batista Logos. Capelão e educador do Colégio Betel Brasileiro.
Fundador e Conselheiro do CAD (clinica de Aconselhamento e Discipulado).
Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo.
PROFESSORES PARA O CURSO DE ACONSELHAMENTO BÍBLICO

Jenuan Lira

Pastor da Igreja Bíblica Batista do Planalto, Diretor da Missão Maranata;
Bacharel em Teologia pelo Seminário Batista do Cariri;
Licenciado em Letras pela UECE;
Mestrando em Aconselhamento Bíblico pela Master’s University.

PROF. CONTEÚDO ONLINE + PROF. VISITANTES​

PROF. CONTEÚDO ONLINE + PROF. VISITANTES​

Tiago Abdalla

Mestrado em Teologia e Exposição do A.T no Seminário Bíblico Palavra da Vida
Estudou Master of Arts in Biblical Studies no Seminário Teológico Servo de Cristo
Bacharel em Teologia na Faculdade Teológica Sul Americana
Bacharel no Seminário Bíblico Palavra da Vida
PROF. CONTEÚDO ONLINE + PROF. VISITANTES​

Antonio Neto

Formado em Teologia pelo SBC
Mestrando em Teologia Sistemática
Pastor Batista
PROF. CONTEÚDO ONLINE + PROF. VISITANTES​

Wilson Porte Jr

Formado em Teologia pelo Seminário Palavra da Vida. Mestre em Teologia-Histórica pelo Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper – Universidade Mackenzie. Professor no Seminário Martin Bucer e também pastor da Igreja Batista.
PROF. CONTEÚDO ONLINE + PROF. VISITANTES​

Leandro Pasquini

Bacharel em Teologia com ênfase pastoral e Educação Cristã (SBPV)
Mestrando em Teologia Histórica (Centro de Pós-Graduaçã Andrew Jumper)
Especialização pastoral (Capitol Hill Baptist Church)
Fundador e professor do curso “Imersão na Palavra”
Bacharel em Publicidade e Propaganda (PUC Campinas / ULBRA Canoas)
PROF. CONTEÚDO ONLINE + PROF. VISITANTES​

Marcos Granconato

Professor do Seminário Palavra da Vida de Atibaia-SP por mais de 20 anos. Mestre em Teologia Histórica pelo Andrew Jumper/ Universidade Mackenzie. Autor de: “A Essência do Evangelho de Paulo” (Comentário de Gálatas), “Eles falaram sobre o inferno”, “A Prática da Igreja de Deus”. Pastor da Igreja Batista e Bacharel em Direito.
PROF. CONTEÚDO ONLINE + PROF. VISITANTES​

Franklin Ferreira

Formado em Teologia pela Universidade Mackenzie e Mestre em Teologia pelo Seminário Teológico Batista do Sul. É diretor e professor do Seminário Martin Bucer, é consultor acadêmico de Edições Vida Nova. Autor de: A Igreja Cristã na História, O Credo dos Apóstolos e Teologia Sistemática: uma análise histórica, bíblica e apologética (este em coautoria com Alan Myatt), publicados por Edições Vida Nova.
PROF. CONTEÚDO ONLINE + PROF. VISITANTES​

Jonas Madureira

Jonas Madureira é Formado em Teologia pelo Seminário Betel Brasileiro e pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, Bacharel e Mestre em Filosofia pela PUC-SP e Doutor em filosofia pela USP e pela Universidade de Colônia, Alemanha. É editor de Edições Vida Nova. Leciona teologia sistemática, apologética e exposição bíblica do AT e do NT no Seminário Martin Bucer.
PROF. CONTEÚDO ONLINE + PROF. VISITANTES​

Gaspar de Souza

Ministro da Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB). Formado em Teologia pelo SPN, onde atua como professor nas áreas de Teologia Exegética e Apologética. O Prof. Gaspar também é Mestrando pelo Centro de Pós-Graduação Andrew Jumper nas áreas de Teologia do Antigo Testamento e Teologia Filosófica.
(Professor Visitante).
PROF. CONTEÚDO ONLINE + PROF. VISITANTES​

Dr. Jean Marques Regina

Advogado desde 2004, professor, escritor e ensaísta. Graduado pela Universidade Luterana do Brasil – ULBRA (2004). Membro da OAB/RS, inscrito sob o n. 59.445, membro da OAB/SP, inscrito sob o n. 370.335. Pós-graduado em Estado Constitucional e Liberdade Religiosa pela Universidade Mackenzie, em parceria com a Universidade de Oxford (Regent’s Park College) e pela Universidade de Coimbra (Ius Gentium Conimbrigae/Centro de Direitos Humanos) (2017). Pós-graduado em Teologia e Bíblia pela Universidade Luterana do Brasil (ULBRA). Professor em diversos cursos de Direito Religioso. 2º. Vice-presidente do Instituto Brasileiro de Direito e Religião – IBDR. Coordenador do corpo de juristas das Igrejas Históricas Protestantes Brasileiras para estudos de Direito Eclesiástico. Colunista da Gazeta do Povo – coluna “Crônicas de um Estado Laico”. Colunista dos blogs “Voltemos ao Evangelho” e “Gospel Prime”. Articulista na Revista de Teologia Brasileira / Vida Nova, Burke Instituto Conservador e Mensageiro Luterano. Advogado aliado da Alliance Defending Freedom (EUA), maior entidade de advogados cristãos do mundo, Fellow Alumnus da Acton Institute (EUA). Co-autor da obra: Direito Religioso: questões práticas e teóricas e de outras obras em coletâneas.
PROF. CONTEÚDO ONLINE + PROF. VISITANTES​

Dr. Thiago Rafael Vieira

Advogado desde 2004, professor, escritor e ensaísta. Graduado pela Universidade Luterana do Brasil – ULBRA (2004). Membro da OAB/RS, inscrito sob o n.º 58.257 (2004), membro da OAB/SC inscrito sob o n.º 38.669-A e membro da OAB/PR inscrito sob o n.º 71.141, especialista em Direito do Estado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS (2005). Pós-graduado em Estado Constitucional e Liberdade Religiosa pela Universidade Mackenzie, em parceria com a Universidade de Oxford (Regent’s Park College) e pela Universidade de Coimbra (Ius Gentium Conimbrigae/Centro de Direitos Humanos) (2017). Pós-graduado em Teologia e Bíblia pela Universidade Luterana do Brasil (ULBRA). Professor visitante da ULBRA e em diversos cursos de Direito Religioso. Presidente do Instituto Brasileiro de Direito e Religião – IBDR. Colunista da Gazeta do Povo – coluna “Crônicas de um Estado Laico”. Colunista dos blogs “Voltemos ao Evangelho” e “Gospel Prime”. Articulista na Revista de Teologia Brasileira / Vida Nova, Burke Instituto Conservador, Mensageiro Luterano e Instituto Liberal. Vice-presidente do Instituto Cultural e Artístico Filadélfia – ICAF e atualmente é Conselheiro Fiscal da Igreja Batista Filadélfia de Canoas/RS. Co-autor da obra: Direito Religioso: questões práticas e teóricas e de outras obras em coletâneas.
PROF. CONTEÚDO ONLINE + PROF. VISITANTES​

Timothy Blazer

Missionário da ABWE. Pastor da Igreja Bíblica Batista do Eusébio. Bacharel em Educação Religiosa pela Cornerstone University – Grand Rapids, MI. Mestre em Ministério Pastoral pelo Grand Rapids Theological Seminary – Grand Rapids, MI.

COORDENAÇÃO

COORDENAÇÃO

Hélio Sales

Coordenador do Dpto. Online

Graduando-se em Teologia pela Escola Charles Spurgeon.
Formado em arquitetura e urbanismo pela Universidade de Fortaleza.
Coordenador do Dpto. Online da ECS
COORDENAÇÃO

Cláudia Carioca

Coordenadora Pedagógica

Doutora em Linguística e Graduada em Letras pela Universidade Federal do Ceará.
Pós-Doutorado em Linguística.
Igreja Batista.
COORDENAÇÃO

Suely Coelho

Coordenadora Geral

Graduada em Filosofia.
Igreja Batista

CONSELHO

Cleyton Gadelha

André Luiz Araújo

Ariel Tidre Ferreira

Cláudia Carioca

Paulo Sérgio Cruz

Marcus Peter Dimarães

Renir Campos

Raquel Gadelha da Paixão