Entrevista Com o Teólogo Luiz Sayão

Sem autor
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email

Entrevista Com o Teólogo Luiz Sayão

Por Notícias

Entrevista concedida a Virgínia Rodrigues da Revista Enfoque Gospel – EDIÇÃO 62

Análises de um especialista em Bíblia pela ética e espiritualidade

Luiz Sayão , este nome remete à Bíblia, livro para o qual se dedicou, sendo hoje conhecido como seu grande especialista e tradutor. Até porque, por cerca de dez anos, foi o coordenador de tradução da Nova Versão Internacional da Bíblia, junto à International Bible Society.

Nascido na capital paulista, convertido aos 12 anos, hoje, aos 43, Sayão porta uma formação em Teologia, Lingüística e Hebraico, área em que também cursou mestrado. É pastor batista há dezoito anos, tendo pastoreado igrejas em São Paulo e ainda nos EUA, na Portuguese Baptist Church, de Cambridge. Atualmente, está implantando uma igreja nova em São Paulo, a Igreja Batista Nações Unidas, que se reunirá no World Trade Center da capital paulista.
Casado em 1987 “com a bênção de Deus chamada Céliz Elaine”, conforme ele mesmo faz questão de dizer, Sayão tem cinco filhos – Rachel (18), Israel (16), Déborah (14), Daniel (10) e Miriam (3). “Cada um melhor do que o outro”, proclama. Ainda tem tempo para ser professor da Faculdade Teológica Batista de São Paulo e do Seminário Servo de Cristo, professor visitante do Gordon-Conwell Seminary em Boston e consultor acadêmico do Seminário do Evangelho Pleno Bethesda. Atua também como consultor de tradução bíblica da Sociedade Bíblica Internacional e consultor teológico dos livros da linha acadêmica da Editora Vida. Coordena a Versão Almeida 21 e a versão brasileira da “The Message”. Já desenvolveu os projetos o Novo Testamento Trilíngüe (Vida Nova) e o Antigo Testamento Poliglota (Vida Nova/SBB).
Feitas todas a apresentações, parte de uma vida de contribuição para o Reino de Deus, vale fechar essa introdução dizendo que Luiz Sayão é também colunista da revista Enfoque há quase quatro anos. É ele quem nos traz agora mais contribuição, respondendo à nossa entrevista.

ENFOQUE – Você é conhecido como um grande especialista e conhecedor da Bíblia. Quando e de que forma se deu esse forte interesse pelas Sagradas Escrituras?

LUIZ SAYÃO – Aos 13 anos de idade, sob a influência de meu primo Franklin Sayão (médico missionário) e do pastor Guenther Krieger, descobri que minha vida só teria sentido se atendesse à vontade de Deus de dedicar-me ao ministério. Com os dons que Deus me deu e sob a inspiração de homens de Deus como Franklin, Guenther, Russell Shedd e Manoel Thé, decidi dedicar-me ao estudo mais aprofundado da própria Bíblia. Concentrei-me em teologia, lingüística e línguas originais (principalmente o hebraico). Minha vida acadêmica deu-se na Universidade de São Paulo, mas semprei estudei e li muito sozinho. Aprendi a ler alguns idiomas por esforço próprio. Cheguei a ler 200 livros num único ano!

ENFOQUE – Apesar de ser um dos livros mais vendidos no mundo, a Bíblia é bastante questionada e muito mal interpretada. Por que acha que isso acontece?

LUIZ SAYÃO – Na verdade, a Bíblia é muito pouco lida. Muitas pessoas lêem a Bíblia de maneira mística ou apenas para afirmar suas próprias convicções pessoais ou religiosas. A leitura atenciosa e detida do texto é pouco comum. Os comentários bíblicos estão entre os livros menos vendidos no Brasil. Isso é triste! A Bíblia é questionada em parte por curiosidade natural de muitos que a desconhecem, em parte pela mentalidade secular de grande parcela da população.
A má interpretação prevalece no cenário religioso, na minha opinião, porque a maioria das pessoas não acredita na Bíblia, inclusive nas igrejas. Como disse Rick Warren, só cremos na parte da Bíblia que praticamos. A facilidade de rebater textos bíblicos, a falta de temor e a frivolidade com a qual se fala das Escrituras sugerem que um grande contingente dos chamados cristãos nem temem que o texto seja verdadeiro. Do contrário, teriam receio de fundamentar suas opiniões em bases tão frágeis! No entanto, acho que isso não é novidade. Sempre foi assim! O verdadeiro cristão precisa fazer um “trabalho subversivo” nas próprias igrejas, para tentar convencer alguns da prioridade do reino de Deus e sua justiça.

ENFOQUE – E o que mais o impressiona e emociona nos trechos bíblicos?

LUIZ SAYÃO – É a sabedoria por trás de suas palavras. A Bíblia é direta e atinge em cheio o nosso coração.
Há uma complexidade tremenda por trás de cada pequeno texto. Os elementos teológicos, filosóficos, existenciais e psicológicos estão entremeados de forma complexa e poderosa. Nunca vi nada igual. Como gosto de dizer quando prego, se eu fosse vocês, eu leria a Bíblia todos os dias… É a única esperança para o ser humano! Ler a Bíblia devagar e com o espírito atencioso e aberto para receber sua iluminação é a única coisa que pode nos sustentar espiritualmente de fato.

ENFOQUE – O que é preciso para que uma pessoa possa entender o que a Bíblia quer realmente dizer e ensinar, em termos de textos e contextos?

LUIZ SAYÃO – Estudar! Não há outra saída! Estudar muito! Hoje, graças a Deus, temos acesso às ferramentas que permitem um estudo muito proveitoso. Dicionários bíblicos, comentários, Bíblias de estudo, etc. são fundamentais. No entanto, é necessário oração e humildade. Na verdade, ler a Bíblia sem o coração aberto para Deus e sem humildade destrói a pessoa! A pessoa torna-se orgulhosa, religiosa e perturbada emocionalmente (esquisita!). O sinal de que há problemas sérios pode ser visto quando nosso coração fica frio diante da maravilha de Deus e da sua Palavra. Sem uma espiritualidade sadia, o coração humano começa a manipular o texto para defender ideologias. Até o padre Vieira, falando da tentação de Jesus, já dizia na época do barroco: “As palavras de Deus ditas no sentido que Deus não as disse são palavras do diabo”. Precisamos de erudição (muito estudo), espiritualidade (busca de Deus) e ética (vida santificada).

ENFOQUE – Como tem sido a reação dos evangélicos às novas traduções da Bíblia, como a NVI, por exemplo?

LUIZ SAYÃO – Muito variada. Alguns recebem muito bem e descobrem que uma versão como a NVI é clara e mais adequada para evangelizar e ministrar. Infelizmente, há aqueles que se apegam à tradição pela tradição e nunca irão mudar, pois deixaram de refletir. Outro problema sério é que há pessoas desinformadas que afirmam inverdades sobre algumas versões contemporâneas e as disseminam entre as igrejas. Todo o mundo tem direito de questionar e discordar. Mas tudo deve ser feito com respeito e bom senso.

ENFOQUE – Como foi sua experiência de viver por um tempo nos EUA? Isso influenciou sua perspectiva teológica?

LUIZ SAYÃO – Foi muito pedagógica. É fácil observar que os EUA têm muitas vantagens econômicas e tecnológicas em relação ao Brasil; no entanto, como sempre vivi numa cidade dinâmica como São Paulo, em muitas áreas aqui é muito melhor. Estamos à frente em serviços bancários, telefônicos, serviços prestados, qualidade de alimentação e relações humanas. Acabei descobrindo que lá há muita burocracia, corrupção e ineficiência. Foi uma decepção com a “funcionalidade” do país. Eu já sabia que, em geral, os americanos não têm muita cultura nem formação filosófica e crítica, mas esperava que o país funcionasse bem mais do que se divulga.
Acabei decidindo voltar para o Brasil por problemas burocráticos com a imigração americana. Eu teria de ficar esperando indefinidamente por uma resposta que ninguém sabe quando viria e ainda seria impedido de sair do país. Isso é um desrespeito aos direitos humanos: tirar a liberdade básica de ir e vir! Hoje, continuo dando aulas na região de Boston como professor visitante.
Os EUA estão em grandes dificuldades espirituais. Em algumas áreas, dezenas de igrejas são fechadas todos os anos. Há um secularismo desenfreado e uma crise familiar. Grande parte da população detesta o cristianismo e luta contra a fé cristã abertamente. Em outras regiões mais evangélicas, há um tradicionalismo protestante estagnado. Muitos são evangélicos “por cultura” apenas. Há temor entre os evangélicos a respeito do futuro do país. Um dos bons movimentos cristãos é o da Igreja com Propósitos. Rick Warren é um milagre nos EUA. É um líder sério e respeitado, e tem trazido um bom crescimento em muitos lugares.
Creio que o futuro do cristianismo evangélico e da obra missionária está em países como China, Brasil e Coréia do Sul. Acho que há pouco a aprender com os americanos hoje. Devemos elaborar nossa teologia de maneira mais independente. Há muito potencial, capacidade e criatividade no Brasil.

ENFOQUE – Seu trabalho tem sido muito ligado ao ensino bíblico e à teologia. Para você, como está a igreja brasileira no seu amadurecimento teológico?

LUIZ SAYÃO – O quadro é muito amplo. Por um lado, a igreja está muito bem. Muitos grupos tradicionalmente resistentes ao ensino teológico estão estudando teologia. O número de seminários e de cursos teológicos continua crescendo. A produção editorial teológica tem aumentado muito. Mas toda essa movimentação é difusa e indefinida. Há sérios problemas que prejudicam o desenvolvimento teológico da igreja e devem ser evitados: o neo-pentecostalismo radical, que é obscurantista e alienante; o tradicionalismo sem reflexão presente em alguns grupos hiper-fundamentalistas; o liberalismo teológico, que apenas desconstrói e não tem como produzir nada, principalmente no Brasil; a fragilidade das novas igrejas e comunidades que acabam recebendo novidades teológicas sem capacidade crítica, desprezando séculos de reflexão teológica. No entanto, creio que, no geral, estamos melhorando, e, passadas as turbulências, vamos chegar lá. Há muita gente boa, séria e sincera estudando e procurando elaborar teologia no Brasil.

ENFOQUE – Sua dissertação pela USP foi sobre a existência do mal e você tem um filho com autismo. Qual foi o impacto disso em sua vida e teologia?

LUIZ SAYÃO – Foi um aprendizado enorme. Nosso filho nasceu quando eu escrevia a dissertação. O problema do mal é um dos assuntos mais relevantes da teologia, e, ao contrário do que se imagina, não milita necessariamente contra a fé, mas é um fator predisponente para a mesma, como vemos em Habacuque ! Minha experiência humilhou-me e trouxe benefícios extraordinários. Hoje tenho mais fé e entendo os “benefícios” do sofrimento de modo mais intenso. Nosso filho Daniel, que parecia que nunca iria falar, graças a Deus “saiu da concha” e hoje está quase normal. Uma das coisas que mais o ajudaram foram os personagens do Maurício de Souza, principalmente o “Chico Bento”. É incrível, mas Deus usou isso para ajudar a curar o meu filho. Hoje ele é bilíngüe, tranqüilo, tem memória acima do normal e freqüenta uma escola normal. É uma bênção. Apesar de mudar de país duas vezes e de ter sido rejeitado por uma escola evangélica americana em São Paulo, ele superou tudo com muita facilidade.

ENFOQUE – Como vê a igreja brasileira no cenário mundial? Qual é a sua avaliação?

LUIZ SAYÃO – A análise é semelhante ao perfil teológico. Há muito crescimento desordenado e difuso. Há muito potencial, mas é preciso fundamentação teológica e seriedade. Os maiores desafios são a ética (está lamentável), a espiritualidade autêntica e a teologia saudável. Apesar de tantos problemas, acho que, de modo geral, a igreja está melhor do que na maioria dos países do mundo.

ENFOQUE – Na sua opinião, do que as igrejas evangélicas hoje mais precisam?

LUIZ SAYÃO – Além de ressaltar ética e teologia, gostaria de dizer que precisamos de equilíbrio e brasilidade.
Há muito extremismo e polarização. Para mim, esse tipo de desequilíbrio não é bíblico e tem origem estrangeira. Creio que a cultura brasileira compartilha de alguns elementos bíblicos especiais que o foco anglo-germânico não possui. Entre eles, destaco o valor das relações humanas e da família, o prazer de viver a vida e a convivência poli-alética com idéias distintas. Se formos autênticos e menos polarizados, chegaremos lá! Todo o mundo critica o movimento neopentecostal. Devemos avaliá-lo sociologicamente. Em breve eles sofrerão mudanças e buscarão uma sedimentação. Foi o que aconteceu com a Assembléia de Deus. Acho que o equilíbrio virá naturalmente.

ENFOQUE – Ainda se pode falar hoje que o evangélico é alienado?

LUIZ SAYÃO – Infelizmente sim. Há dois tipos de alienação: uma é a do sistema. Estar no sistema é ser alienado para com o que importa na vida. É a reprodução da alienação geral dominante (Marcuse). A outra alienação é a de ruptura com o sistema. Há uma alienação religiosa que se percebe no misticismo desenfreado e na falta de consciência e esperança política e cívica.

ENFOQUE – No atual conflito no Oriente Médio, parece que os evangélicos brasileiros se alinham a Israel. Há uma razão bíblica para isso?

LUIZ SAYÃO – Esse alinhamento tem origens em uma corrente escatológica. Além disso, sempre se imagina o mundo árabe como muçulmano e inimigo. Acho que a avaliação é equivocada. Eu creio que Deus abençoará Israel e que Israel tem um papel escatológico importante. Por outro lado, é impossível delimitar na Bíblia as dimensões da terra de Israel para hoje. Além disso, Deus também tem promessas para os árabes, entre os quais há muitos cristãos. Há inclusive a promessa de paz escatológica (pouco citada) entre Israel, Egito e Assíria (Is 19.23-25).
A igreja errou com o anti-semitismo e hoje erra com a tendência judaizante. Nem tudo o que o exército de Israel faz está certo. Nem Deus poupou Israel e a Igreja quando cometeram erros e injustiças. Há erros graves da parte de Israel e dos árabes no Oriente Médio. Quem sofre muito e paga por isso é a população civil israelita, palestina e principalmente libanesa.
A situação do Líbano é uma vergonha para a ONU. A verdade é que Síria e Israel fazem o que bem entendem no pequeno país.

ENFOQUE – Como vai o antiintelectualismo entre os evangélicos no Brasil?

LUIZ SAYÃO – Continua vivo e ativo! Todavia, parece estar cedendo espaço. Não creio que esse seja o principal problema hoje. O maior problema é pseudo-intelectualismo. Há muita gente estudando teologia sem profundidade, e há instituições prometendo títulos sem muitas exigências acadêmicas sérias. Parece que muitos querem ter apenas nome e título sem desejar de fato estudar e conhecer.
O problema é que essas pessoas serão presas fáceis de ideologias passageiras, serão superficiais e intelectualmente ingênuas e atuarão como líderes sem a devida bagagem e formação. As conse¬qüências serão sérias. Como gosto de dizer, brincando, é a “ingnoranssa que astravanca o pogresso”.

ENFOQUE – Como tem sido sua experiência como colunista da Enfoque?

LUIZ SAYÃO – Muito boa e gratificante. Já são quatro anos. A receptividade tem sido muito boa e a revista tem crescido muito. O ponto alto foi o artigo do “p”: P-Problemas e P-Perspectivas do P-Protestantismo P-Pau-Brasil. Todo mundo fala do texto e pede uma cópia até hoje.

ENFOQUE – Quais são seus desafios e sonhos para o futuro?

LUIZ SAYÃO – Além de sonhar com uma igreja contemporânea relevante (nosso projeto já começou), gostaria de continuar a ajudar a formação de futuros líderes (literatura e ensino). Desejo desenvolver um projeto de uma Bíblia de Estudos Brasileira, escrever um comentário bíblico completo e exegético contextualizado e elaborar uma teologia bíblica brasileira que ainda está em estágio embrionário.