Dr. Martin Lloyd-Jones política, mídia e consumismo

Sem autor
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email

Dr. Martin Lloyd-Jones política, mídia e consumismo

Por Martin Lloyd Jones

Pergunta ECS: Dr. Martin Lloyd-Jones fale-nos sobre política, mídia e consumismo:

Resposta Dr. Lloyd-Jones: (Lendo Isaías 5:8-10) “Eu descubro que há 2800 anos o profeta Isaías tomou seis coisas que estavam palpavelmente erradas na vida de sua nação e na vida de homens e mulheres em pecados e separados do conhecimento de Deus. Creio que será uma tarefa muito fácil para eu mostrar que esses são os principais problemas enfrentados por todas as nações do mundo atual. O pecado é ainda pecado, os seres humanos ainda são exatamente como sempre foram através de toda a sua história conhecida e registrada…. As características da vida dos tempos de Isaías continuam a ser as mesmas da vida atual.

“Ai daqueles” diz o profeta. Por que Deus está preocupado? Por que Deus iria punir a nação de Judá? Se vocês estão em dúvidas, diz o profeta, eu lhes vou contar com mais detalhes… Em 1º lugar, “Ai daqueles que adicionam casa a casa, somam campo a campo, até que não haja mais lugar, e eles sejam os únicos no meio da terra! Aos meus ouvidos falou o Senhor dos exércitos: Na verdade muitas casas ficarão desertas, mesmo as grandes e belas, sem habitantes. Sim 10 acres de vinhedos darão um bate” – Seus 10 acres produzirão apenas a porção de um dedal. Um ômer (barril) de semente no lugar de produzir uma colheita abundante – “Não dará mais do que um efa (arroba)”.

Que é que o profeta está censurando aqui? Referente a que Deus está pronunciando este ai? A resposta é: Sobre o materialismo, o mundanismo. Naquela civilização antiga, materialismo, é claro, era uma questão de casas e campos. Aquele era o estilo de vida em que eles viviam: Israel era, acima de tudo, uma comunidade agrícola. Assim, esses pontos são apresentados, levando-se em conta o imaginário do Velho Testamento, em termos de casas, campos e animais. O que interessa, no entanto, é o princípio… Serve para mostrar que homens e mulheres continuam a ser o que sempre foram: O pecado continua sendo pecado; nada mudou. Não há ninguém mais cego do que a pessoa que diz: Eu não vejo como o Velho Testamento pode estar se referindo a mim. Não vê? Tem tudo a ver, porque, embora você esteja vivendo nos dias de hoje, você é exatamente igual ao que eram as pessoas 800 anos antes de Jesus Cristo.

O problema, em primeiro lugar, era materialismo, e nós ainda o enfrentamos hoje. Evidentemente nosso estilo de vida mudou… agora nós pensamos mais em termos de dinheiro e daquilo que ele pode comprar: propriedades, produtos enfim, tudo o que se torna nosso como resultado de termos dinheiro. Aqui está a essência do problema moderno. O cristianismo é como um artigo barato de liquidação no qual as pessoas não estão interessadas. Apenas 10% têm algum interesse, e, ainda assim, a metade deles está em dúvida, para se dizer o mínimo. Qual é o problema com os outros 95%? O problema é que, exatamente como Israel deu as costas a Deus, os homens e as mulheres deste século fizeram o mesmo, mostrando interesse tão-somente em posses materiais. Tudo no mundo promove o materialismo. Ele é encorajado por todos os partidos políticos. Na verdade eles fazem isso visando angariar votos, porque conhecem seus eleitores muito bem e, sabem perfeitamente, que quem fizer mais promessas é o que tem maior probabilidade de ser eleito. Os políticos competem uns com os outros, oferecendo mais e mais… Eu acuso todos eles de encorajarem um forte espírito de materialismo e terem muito pouco interesse em princípios. Não estou querendo dizer que não deveríamos ter políticos; alguém tem que governar o país. Que bom seria, porém, se tivéssemos políticos que se preocupassem com a verdade, princípios, moralidade e um viver correto, e não apenas com interesses políticos que só conduzem à lascívia e aos desejos materialistas de homens e mulheres!… Também a mídia está entre os maiores culpados de encorajar essa atitude. Por isso mesmo, é uma das piores influências no mundo. A mídia sempre dá a impressão que a vida gira em torno de dinheiro e posses, está sempre desfilando esse princípio nefasto diante de nossos olhos.

O mundo inteiro está pregando o materialismo, porque não está de modo algum interessado na espiritualidade bíblica. O mundo nos diz que temos de nos concentrar nessa vida, no aqui e agora. De fato debocha-se de quem tem atitudes espirituais.

Mas um “AI” foi pronunciado contra essa perspectiva materialista da vida. Um “AI” foi pronunciado por Deus contra essa visão mesquinha da existência! (…) Imagine identificar a vida com um certo número de casas ou campos! Mas é exatamente isso que as pessoas fazem! É dessa forma que elas expressam sua filosofia de vida, sua visão de si mesmas: Ser bem-sucedido é possuir mais e mais!

Há uma ilustração disso em Lucas 12. Jesus estava pregando um tremendo sermão sobre o relacionamento de homens e mulheres com Deus. Ele estava falando de tempo e eternidade. Ele os estava prevenindo para que não o negassem… e, também, os avisava sobre a blasfêmia contra o Espírito Santo. Aí… quando Jesus fez uma pequena pausa um homem o interrompeu com essa: “Mestre fala com meu irmão que divida a herança comigo”. E Jesus respondeu: “Homem quem me fez juiz ou testamenteiro entre vocês?”. Então continuando ele disse: “Tomem cuidado com a cobiça, porque a vida de um homem não consiste na abundância das coisas que ele possui”.

Aqui está Jesus falando de coisas de suprema importância, sobre os grandes mistérios da vida e da eternidade. E ali está um homem na congregação, frente a frente com o Filho de Deus, sem, porém, dar importância ao que Jesus está dizendo. Por que? Porque para ele não importava o relacionamento com Deus nem a relação da sua alma com o Espírito Santo, mas uma herança!

… Esta é a visão de muitas pessoas. O que determina a relevância de uma pessoa? O tamanho da casa, a quantidade de dinheiro no banco, a capacidade de consumo. Hoje essas coisas são símbolos de status. Isso é o que se supõe que faça uma pessoa parecer grande.

A vida de uma pessoa, o ser e a existência reduzidos às coisas que podem ser compradas com dinheiro!… A visão não cristã da vida faz de nós, criaturas minúsculas, porque nos estima e nos julga segundo aquilo que possuímos, não considerando nada sobre nossa alma, espírito, o que nos liga a Deus e às possibilidades da eternidade.

O Senhor continuou: “Porque onde estiver o teu tesouro, ali estará o teu coração”. Trata-se do mesmo problema: “Que vamos comer, que vamos beber, como nos vestiremos?”. Todas essas coisas os ímpios buscam. É claro que buscam e sempre buscarão, porque isso é o que determina a vida deles… o número e o valor das coisas que possuem.

Não há nada de errado em possuir coisas…, mas quando você põe seu coração nelas, quando busca sua identidade por meio delas, quando não pode viver sem elas… isso nada mais é do que absoluta escravidão. É totalmente degradante.

A vida é que é realmente importante e a alma, não a roupa, nem o alimento, nem a casa, nem os campos e nem as posses.

(Para melhor compreensão do pensamento do Dr. Jones sobre esses assuntos recomendamos o livro: “Uma Nação Sob a Ira de Deus”. Ed. Textus).