A FACE OCULTA DA PAIXÃO SEXUAL

Sem autor
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email

A FACE OCULTA DA PAIXÃO SEXUAL

Por Cleyton Gadelha

A paixão sexual pode ser desamarrada por uma pequena fração de negligência: Numa tarde qualquer ao tomar um ar fresco no terraço do seu palácio, um rei hebreu chamado Davi experimentou um vulcão de emoções arrebatadoras irrompendo lascívias incandescentes de dentro si. Inadivertidamente esse homem de guerra teve suas afeições alcançadas pela irresistível contemplação da nudez de uma bela mulher!

Seu forte coração de guerreiro derreteu-se, vulnerabilizado pelas fascinantes cores de uma avassaladora paixão sexual. Estando ele no lugar errado e na hora errada, testemunhou, com certo prazer, seu coração desmantelar todo o seu sistema de defesa que o guardava amarrado à piedade e ao bom senso.

“Do coração procede as fontes da vida”, por isso ele precisa ser guardado e protegido de momentos maiores do que ele. “Fugir das paixões da mocidade” significa não admitir nenhum encontro facilitador com forças que você nunca poderá vencer. “Guardei a Tua palavra no meu coração para não pecar contra Ti” é um ato de volição que uma vontade neutralizada por uma paixão sexual não quer realizar.

Dizer que a paixão sexual produz a super excitação da sensibilidade e apaga a vontade e a inteligência é dizer duas coisas: 1) A paixão sexual é um sentimento irracional. 2) A paixão sexual depois de desencadeada assumirá seu domínio devastador.
No caso do piedoso Davi a paixão sexual atingiu a encantadora fase onde a embriaguez do “amor” se rende aos pés de seu venerado objeto e exclama tolices do tipo: “Não consigo pensar noutra coisa, não poderei viver sem ela! Eu tenho o direito de ser feliz”.

Esse tipo de instante nos leva numa viagem de volta ao Éden, onde nos juntamos ao diabo para acusar Deus de se colocar entre nós e a nossa felicidade! Concebemos pensamentos independentes, abandonamos as balizas morais das Escrituras e caimos nos braços do hedonismo.

Nos tornamos sócios da nossa paixão e começamos a retirar o cinto da verdade que, até então, nos cingia, removemos tudo que possa nos impedir de entrar no nosso novo paraíso.
É assim que um singelo compositor de salmos aparta seu coração do Senhor para, com deslealdade calculada e fria, perpetrar a morte de um homem inocente.

*A PAIXÃO CONSUMADA:*
o caminho para baixo começou com o Rei de Israel trazendo a mulher, que era casada, para a sua cama iludido com a certeza da impunidade. As lentes da paixão são coloridas e os olhos do Rei só enxergaram o que sua otimista ilusão lhe permitiu. A paixão sexual tem uma face oculta chamada morte.

*AS CONSEQUÊNCIAS OCULTADAS PELA PAIXÃO Em FIM SE REVELAM:*
A gravidez de Batseba fez a euforia se transformar em pesadelo, ela poderia ser apedrejada se Urias seu marido a denunciasse e Davi poderia ser vergonhosamente exposto.
O pecado de Davi o achou! A paixão sexual consumada em adultério produziu morte: Morte dos sentimentos elevados, morte da descência, morte da boa consciência, morte da boa reputação.
Os abismos do pecado não confessado começaram a se abrir diante de Davi.

*UM FINAL INFELIZ:*
Davi, à semelhança de Páris, colocou em desgraça outras pessoas em benefício de sua paixão. Na esteira sacrificou sua reputação, a paz de sua famíla e o mais grave pecou contra Deus!

O rei não pecou contra um mero código de leis escrito em pedras. Ele ofendeu a pessoa que mais o amava, que fez dele tudo que ele era! Doeu nele ouvir Deus dizer: “Eu te ungí rei de Israel! Eu te livrei das mãos de Saul! Eu te dei a nação de Israel e Judá! E se tudo isso não fosse suficiente eu te teria dado mais ainda!”

Depois de forjar uma convincente narrativa sobre a morte de Urias o apaixonado filho de Jessé retirou suas afeições do Senhor. O outrora gentil pastor de ovelhas, músico e poeta de Deus iguala-se agora aos grotescos reis pagãos do oriente.

*O FATOR NATÃ:*
O Deus de Israel, mesmo insultado pela transgressão do ex-menino que Ele bondosamente retirara da obscuridade das montanhas para reinar sobre o seu povo, busca-o pela mão de Natã para exercer sobre o rebelde a desproporção de sua misericórdia. Rasgado por dentro Davi se denuncia perante o Senhor, busca-lhe a face e suplica-lhe a renovação de sua comunhão! Deus recolhe com olhos de misericórdia a humana miséria de Davi.

Deus é a misericórdia e nós somos a miséria! Com seu amor nos arranca da mais vil degradação e nos faz andar em sua presença vestidos das vestes de seu bendito Filho Jesus Cristo. Lança nossos pecados no profundo mar do esquecimento para nunca deles se lembrar jamais! E, como se isso não fosse muito, ainda fará de cada crente alguém segundo o seu coração.

*O RECOMEÇO*
Porque Deus é quem é, Davi experimentou um novo começo. Sim ele ainda compôs salmos, louvou ao Senhor na congregação dos justos e por seu arrependimento ainda testemunha aos pecadores sobre o Deus que cobre os nossos crimes com o sangue do “Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”.